expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Curso Bíblico Grátis - Princípios


Clique na capa para baixar

A importância das datas de 508 e 538 d.C. para a supremacia papal

Por Alberto R. Timm, Ph.D.

Resumo: As datas de 508 e 538 d.C. são muito significativas para os adventistas do sétimo dia. A primeira é tradicionalmente reconhecida como o início dos 1.290 e 1.335 dias/anos de Daniel 12:11 e 12, e a segunda, como ponto de partida dos 1.260 dias/anos de Apocalipse 11:3 e 12:6. O presente artigo descreve o contexto histórico dessas datas, bem como o papel exercido por eventos importantes no processo de estabelecimento da supremacia papal.

A Mensagem de Apocalipse 17


Por Diogo Cavalcanti (RA, Junho 2013)

Forças políticas e religiosas se unirão para perseguir o povo de Deus nos instantes finais da história.

Sete séculos se passaram e mais de setenta papas se sucederam até que um novo pontífice abdicasse de sua função. O ato, considerado grave até mesmo por Bento XVI, despertou rumores sobre dificuldades sofridas por ele em seu pontificado.
Contudo, as especulações sobre a renúncia papal têm ido muito além das questões internas do Vaticano. Em alguns círculos, elas intensificaram uma expectativa em torno da chamada “teoria dos sete reis”, construída sobre Apocalipse 17. Na Internet, a discussão sobre essa teoria foi intensa e erroneamente entendida como uma crença dos adventistas do sétimo dia.
A teoria enumera os papas a partir do estabelecimento do Estado do Vaticano, em 1929, até a volta de Jesus. Portanto, Bento XVI, o sétimo papa desde então e cujo pontificado foi relativamente breve, é visto como o “rei” que tinha que “durar pouco” (Ap 17:10). Dessa forma, o papa Francisco, o oitavo, seria o último antes da segunda vinda de Cristo.* A teoria dos sete papas não recebe o apoio da Igreja Adventista do Sétimo Dia, pois carece de fundamentação bíblica, como veremos a seguir, ao analisar a mensagem de Apocalipse 17.

Estudo: Orações de Louvor - Apocalipse

"Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor." Apocalipse 5:12

No vívido relato do Apocalipse de João temos uma pequena idéia da adoração prestada a Deus. No centro da adoração celeste "está um Rei glorioso no trono com o Cordeiro em pé à Sua frente. Muitos grupos corais O cercam. Do trono, uma voz solitária fala com freqüência. No círculo interno está um quarteto de seres viventes. Ao redor deles está um coro de vinte e quatro anciãos. Mais adiante, está um vasto coro de anjos. Ante o nosso olhar encantado, outro grupo procura o caminho para o trono – uma grande multidão que ninguém pode contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas (Apoc. 7:9). Então, a atenção se alarga para alcançar "toda criatura que há no Céu e sobre a Terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há", todos unidos em louvor a Deus e ao Cordeiro. Até as forças satânicas do abismo "debaixo da Terra" finalmente se curvarão para adorar a Deus (Filip. 2:10 e 11). 
    O que estas várias categorias de criaturas têm a dizer sobre Deus? Seus cânticos de triunfo revelam muitas razões para exaltar o Criador. Aprenda sobre estas razões nesta semana e como suas orações podem se tornar hinos de louvor. 

O Oitavo Rei - Na Mira da Verdade

Apocalipse 17 e o oitavo império

Por Vanderlei Dorneles (fonte)

Que significam os símbolos proféticos de Apocalipse 17?

Este artigo analisa os símbolos proféticos de Apocalipse 17 com a proposta de diferenciar a besta escarlate da meretriz bem como da primeira besta de Apocalipse 13:1. O estudo é feito à luz do contexto das sete pragas e do paralelo construído entre o clímax escatológico provido pelos capítulos 13 e 17, paralelo este usado como base para se sugerir uma relação entre a primeira besta e a meretriz, e entre a besta de dois chifres e a besta escarlate e seu oitavo chifre. Em seu contexto imediato, o texto de Apocalipse 17 é considerado como uma espécie de juízo de investigação seguido da execução de sentença sobre a meretriz (Ap 18). A oitava cabeça é distinguida do poder religioso e relacionada com os poderes político-militares.

Poema - Apocalipse 1

Princípio Dia-Ano


Pelo Dr. José Carlos Ramos (RA, Dez/2006, p. 17)

É possível inferir de citações bíblicas e do Espírito de Profecia a idéia de que o princípio dia/ano não deve ser aplicado depois de 1844? E como fica a interpretação de Apoc 8:1 de que "quase meia hora profética" equivale a sete dias? - M. T. F.

Calculamos as 2300 tardes e manhãs de Daniel 8:14 como 2300 anos mediante a aplicação do princípio dia-ano. Considerando que a purificação do santuário terrestre ocorria num único dia, não deveria o juízo investigativo, nesse caso, ter durado apenas um ano? Por que esse princípio deixa, agora, de ser aplicado?

Gotas ou chuva torrencial?


Por Luís Alexandre Aliboni

A chuva serôdia cairá sobre os que se submeterem sem reserva de domínio ao poder do espírito santo.
Jesus havia ressuscitado. Vazio estava o túmulo. Dois homens testemunharam dizendo: “Por que buscais entre os mortos ao que vive? Ele não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos de como vos preveniu, estando ainda convosco na Galileia, quando disse: Importa que o Filho do homem seja entregue nas mãos de pecadores, e seja crucificado, e ressuscite no terceiro dia” (Lc 24:5-7).
Mas nem todos os Seus seguidores presenciaram o glorioso momento. Dois deles estavam a caminho de Emaús, tristes, abatidos. Jesus Se aproximou deles, os quais não O reconheceram, e perguntou: “Que é isso que vos preocupa?” (Lc 24:17). Uma resposta um tanto irônica saiu dos lábios de Cleopas: “És o único, porventura, que, tendo estado em Jerusalém, ignoras as ocorrências destes últimos dias?” (Lc 24:18).

Apocalipse 17 - O oitavo Rei

Leia artigos abaixo, clicando:






Teoria do sexto rei contra-ataca

Revista Adventista de junho de 2005, p. 10.
Dr. José Carlos Ramos

Com a morte do papa, reascendeu aqui em nossa congregação a teoria dos sete reis. Poderia comentar alguma coisa sobre essa teoria? Qual, por exemplo, seria sua principal fragilidade? 
A posição da IASD com respeito a Apocalipse 17:9 e 10 continua sendo a mesma de antes da morte de João Paulo II. Respeitando o sistema de interpretação profética que ela assume, o historicismo, interpretamos de duas maneiras os “sete reis” relacionados nesse texto:

O Oitavo Rei de Apocalipse 17 - Comentário Bíblico Adventista

Segue abaixo o comentário sobre Apocalipse 17:7 a 11

verso 7.

Eu te direi.

No texto grego o pronome é enfático: "Eu mesmo te direi". O resto do capítulo é a interpretação que faz o anjo do "mistério" ou simbolismo de a visão dos vers. 3-6. A "besta" se explica nos vers. 8-17; a "mulher", no vers. 18.

verso 8.

A besta que viu.

A Presciência Divina: Relativa ou Absoluta?


A doutrina da presciência divina tem sido marcada por vários conflitos ao longo da história do cristianismo. Já no início do século V, encontramos a controvérsia pelagiana, na qual, de um lado estava Agostinho, defendendo a doutrina da predestinação e da "graça divina irresistível", e do outro, Pelágio e Céstio, superenfatizando a "liberdade da vontade humana". [1]

Durante o período da Reforma dos séculos XVI e XVII, podemos salientar que, mesmo entre os adeptos da Confissão de Augsburgo (1530), houve por algum tempo desacordo entre alguns teólogos sobre a questão "da eterna presciência e eleição de Deus". [2] Porém, como ponto culminante, podemos considerar a reação que o calvinismo produziu especialmente na Holanda, e que envolveu os Países Baixos protestantes.

A maior expressão dessa reação encontramos em Jacó Arminius (1560-1609) e seus discípulos, cuja doutrina é conhecida como arminianismo. Essa controvérsia assumiu caráter político e intensificou-se a tal ponto que, num sínodo nacional em Dort (1619), p arminianismo foi condenado, e um de seus defensores, João van Odenbarneveldt, foi decapitado em 13 de maio de 1619, e Grotius, condenado à prisão perpétua, muito embora conseguisse fugir posteriormente. [3]

Documentário - Acesso Secreto - O Vaticano

Profecias do Tempo do Fim - LaRondelle



Os Estados Unidos na Profecia Bíblica


Pode ser isso verdade? A América na profecia bíblica? Absolutamente! Quando você pensa sobre isso, faz sentido que o país mais poderoso e influente na terra terá um papel vital nos impressionantes eventos finais da história do mundo. Mas ainda mais surpresas esperam por você quando a Bíblia revela como e por quê a nação líder do mundo veio a existir. Por favor, leia Apocalipse 13:11-18 antes de iniciar este estudo, porque estes oito versos dão uma visão profética da América nos dias à frente.
1. Duas potências mundiais estão simbolizadas em Apocalipse capítulo 13. Qual é a primeira?
R: A besta de sete cabeças (Apocalipse 13:1-10) não é outro senão o papado romano. Lembre-se que animais em profecia bíblica simbolizam nações ou potências mundiais (Daniel 7:17, 23).

Quantas vezes satanás foi expulso do Céu?

Por Ozeas C. Moura
Gostaria de entender o texto de Apocalipse 12:7-12. Parece que ele fala de duas expulsões de Satanás – uma quando ele se rebelou e guerreou contra Cristo no Céu e outra quando o Cordeiro derramou Seu sangue na cruz. – A. E.
O contexto do capítulo 12 de Apocalipse mostra que os versos 7-12 são um parêntese entre 12:6 e 13, que falam do dragão (Satanás) em sua obra de perseguir a igreja, representada por uma mulher. E a razão para esse texto parentético é que ele explica como um anjo criado perfeito chegou a se tornar “diabo” (acusador, caluniador) e “Satanás” (adversário).
O texto de Apocalipse 12:7-12 mostra que houve dois momentos em que Satanás foi expulso do Céu – em um, como seu lugar de habitação (v. 9) e em outro, como “acusador dos irmãos” (v. 10).

A queda da Babilônia, no tipo e antítipo

Por Hans K. LaRondelle (para ler o texto no original em ingles clique no título)
O livro de Apocalipse retrata o inimigo final do fiel povo de Deus como a prostituta "Babilônia" (Apoc . 17:1-6 ). Deus a julgará e irá derrotá-la, assim como Ele provocou a queda da antiga Babilônia. Simbolismo do Antigo Testamento é usado pelo anjo apocalíptico, quando ele anuncia: "Caiu, caiu a grande Babilônia, que fez todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição" (Apoc.14:8 ; ver Isa 21:9. ). * Este simbolismo é desenvolvido na visão dos sete últimos flagelos, os dois últimos dos quais claramente alusão à queda da antiga Babilônia após o seu influxo rio Eufrates foi subitamente desviada ( Apoc.16: 12 , 17-19 ). Nosso presente estudo pretende compreender o significado teológico da queda de Babilônia do fim dos tempos através de sua conexão aparente tipológica com história de Israel a salvação. 

Papa reúne ateus e líderes religiosos em culto ecumênico

Em Assis, na Itália, o papa Bento XVI reúne hoje (27) em um culto ecumênico representantes de 300 religiões e ateus. É a primeira vez em que pessoas que não acreditam na existência de Deus participam das cerimônias. O objetivo é promover um dia de reflexão e fé, segundo o Vaticano. É o 25º aniversário do Dia Mundial de Oração pela Paz, que começou com o papa João Paulo II, em 1986. O papa fará um sermão, na Basílica de Santa Maria dos Anjos, e em seguida, haverá a participação dos representantes de várias religiões e dos ateus. O Vaticano organizou ainda um almoço. Em seguida, Bento XVI e os líderes religiosos irão do Convento de Santa Maria dos Anjos em direção à Praça São Francisco de Assis, onde será encerrada a cerimônia ecumênica. A cidade italiana se tornou famosa por ser o local onde nasceu São Francisco e em que ele fundou a ordem Franciscana, no século 13. A região tem pouco mais de 25 mil habitantes, mas guarda a arquitetura original e a Basílica de Santa Maria dos Anjos, um local que atrai turismo.

(Estadão)

Vaticano elabora plano de reforma econômica mundial

O Vaticano anunciou [na] quarta-feira ter preparado um documento para a reforma do sistema financeiro internacional no qual convoca a criação de uma “autoridade pública com competência universal”. O documento será apresentado na segunda-feira à imprensa e foi elaborado pelo Conselho Pontifício Justiça e Paz, liderado pelo cardeal africano Peter Kodwo Appiah Turkson. “A reforma do sistema financeiro internacional na perspectiva de uma autoridade pública de competência universal” é o título do documento, que ainda não teve seu conteúdo divulgado. O Vaticano apresenta assim propostas concretas perante a crise econômica e social que afeta o mundo desde 2008.

Quando a "marca da besta" foi um biochip!

Por Anthony MacPherson (clique no título para ler o original em ingles)
Vários anos atrás eu recebi um e-mail de aviso que a "marca da besta" era iminente. A mensagem explica que uma empresa que desenvolve tecnologia de cartões inteligentes, em conjunto com uma operadora de rede móvel, fez um biochip de fabricação para ser colocado em nossa mão direita e na testa. O e-mail fez outras reivindicações assustadoras. Como é habitual com e-mails sensacionalistas, há sempre um pedido de manipulação no final pressionando o leitor a enviá-lo para todos que sabem. Havia apenas um problema: Era um trote, mas infelizmente, muitas pessoas crédulas transmitiram aos seus familiares e amigos.

A Palavra de Deus e o Testemunho de Jesus

Por Hans K. LaRondelle
(Leia o original clicando no título)

O Apocalipse baseia-se na verdade de que Deus enviou Seu Filho para dar testemunho do Seu verdadeiro caráter. John ressalta a importância vital do testemunho que Jesus deu aos tribunais judiciais de ambos os judeus (João 5:31-37; 8:13-18) e gentios (João 18:37). Ele descreve Jesus como "a testemunha fiel e verdadeira" (Apocalipse 1:5; 3:14;. Cf 19:11), que, porque Ele se manteve fiel à sua confissão de verdade, até mesmo ao ponto da morte, assim, conquistou o mundo (Ap 3:21; 05:05, João 16:33).

Adoração no livro do Apocalipse

“Entoavam novo cântico diante do trono, diante dos quatro seres viventes e dos anciãos. E ninguém pôde aprender o cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da Terra” (Apocalipse 14:3).
Leituras da semana: Jó 42:1-6; Ap 1:13-18; 13; 14:6-12; 19:1-5
Poucos livros da Bíblia contêm tanto mistério e fascínio como o Apocalipse. Ele está cheio de imagens incríveis de bestas, dragões, fogo, terremotos, pragas, exércitos, rãs, cidades, estrelas cadentes e assim por diante.

Babilônia e a Besta

Por Gordon A. Frase (clique no titulo e leia o original)

Uma das fases mais fascinante do estudo da Bíblia é o estudo da profecia bíblica. Descrições do mundo pouco antes de Jesus vem e gloriosa esperança de uma terra habitada em paz em um futuro não muito distante que nunca irá intrigar a mente do aluno oração e diligente das Escrituras.
Capítulo dezessete do livro do Apocalipse mantém uma obra-prima da profecia que descreve o presente eo futuro. Na história das nações descritos neste capítulo pode ser visto claramente como Deus está permitindo que o próprio Satanás para provar a futilidade do seu sistema de governo e de grande necessidade do homem do sistema do governo de Deus elaborou e selada com o sangue do seu próprio filho.

Dia do Senhor e o Senhor do sábado

Por Robert L. Odom (clique no título e leia o original)

O apóstolo João, no dizer da revelação que Deus lhe deu, na Ilha de Patmos, diz: "Eu fui arrebatado em espírito no dia do Senhor, e ouvi por detrás de mim uma grande voz" ( Apocalipse 1:10 ).

Dragões, bestas, pragas e trombetas

Por Bruce Norman (clique no título e leia no original)

O livro do Apocalipse é difícil de entender. Confronta-nos com os dragões, bestas, pragas, trompetes, uma mulher de pé no céu com vestes brancas, o número 666, a marca da besta, anjos voando com livros, pragas provenientes da frascos realizada por meio de anjos, uma mulher sentada em um vermelho sangue animal consumindo humana, um futuro rei vestido com uma roupa encharcada em sangue, e muito mais. Estas imagens nos fazem lembrar que não só é o livro do Apocalipse difícil, mas é diferente. Como resultado, o livro é, por vezes, abandonados ou apresentados de forma a deixar seus ouvintes confusos. 1 Para muitos, o Apocalipse, que significa "revelação", tornou-se os apócrifos, que significa "escondido". 2
Se o livro é tão difícil para os cristãos, quanto mais para a pessoa "secular", que teve muito pouco contato com o nosso entendimento do Cristianismo? Como pode esta pessoa, que vive em um mundo científico e, muitas vezes anti-religiosa, se esperar para receber qualquer benefício do labirinto de imagens que aparecem neste livro?

Como se Distinguem os 144.000

Por Gerard F. Hasel (RA, jan/77)
Quem são os 144.000 que aparecem no Apocalipse? Esta pergunta tem despertado a curiosidade tanto de leigos como de teólogos. João, o revelador, apresenta este grupo em Apoc. 7 e 14. No capítulo 7, ele vê os 144 mil quando são selados, e, no capítulo 14, vê-os sobre o Monte de Sião. Como leais seguidores de Cristo, ostentam certas características. Aparecem em contraste com os que têm o sinal da besta. (Apoc. 13:16 e 17).
Justo antes da consumação de todas as coisas, os seres humanos estarão divididos em dois grandes grupos. Cada um deles terá seu sinal identificador. O decidir a qual destes grupos vamos pertencer, é um assunto de vida ou morte, que devemos resolver aqui e agora. Deste modo, cada ser humano decidirá seu destino. A quem vamos manifestar lealdade? Que nome vamos ter? Que sinal ou selo vamos possuir? Que caminho vamos seguir?

Carta a Igreja de Éfeso - Pr. Mark Finley - 1/3

Sábado X Domingo - Com Pr Henry Feyerabend - Parte 1 de 7

 

Cristo Analisa Condição Espiritual de Pérgamo

Por Almir A. Fonseca (RA, ago/77)
Havia nessa Igreja uma porção de irregularidades que motivaram a censura divina. Estava ela estabelecida no lugar em que "está o trono de Satanás", situação que era bem conhecida por Cristo. Além disso, Pérgamo estava permitindo que "a doutrina de Balaão" e a "doutrina dos nicolaítas" fossem propagadas no seu interior, arruinando o nível espiritual dos seus membros.
Contudo, as esperanças divinas quanto a Pérgamo não haviam desaparecido inteiramente. Jesus salienta que, não obstante a condição religiosa da terceira igreja da Asia Menor, "conservas o Meu nome, e não negaste a Minha fé". E aos que se esforçassem para vencer, foi dirigida a promessa de que receberiam do "maná escondido", teriam "uma pedrinha branca" e "um nome novo".

O Assinalamento em Ezequiel

Por Aristarco P. de Matos (RA, maio/77)

Ainda que não saibamos a data de seu nascimento e morte, temos no entanto muitas lições a tirar para nosso proveito dos escritos daquele que foi um dos maiores profetas hebreus — Ezequiel. Seu nome significa: "aquele que Deus fortalece". Não é citado fora de seu livro, nem no Velho nem no Novo Testamento. Era da linhagem sacerdotal, talvez fizesse parte da aristocracia.
Foi levado cativo para Babilônia em 597 A.C. Davis afirma que o capítulo 1:1 se refere à idade do profeta — 30 anos, na ocasião de sua S deportação. (2) Sustentam alguns que seu ministério se estendeu por 22 anos. indo de 593 a 571 A.C., sendo neste caso contemporâneo de In Daniel e Jeremias.

A Igreja de Deus não Fracassará

Por Enoch de Oliveira (RA, jun/79)
Na minha opinião o núcleo do livro de Apocalipse encontra-se no capítulo 14. Aqui o vidente de Patmos apresenta um magnífico retrato do triunfo das três mensagens angélicas — fundamento bíblico sobre o qual está baseada a Igreja remanescente. Se for para triunfarmos com estas mensagens, precisamos compreender mais claramente do que muitos de nós o fazemos, o que a proclamação desta mensagem envolve. Precisamos também estar convictos de que estas mensagens não fracassarão nem a Igreja remanescente fracassará.

Teólogo protestante quer papa como líder dos cristãos

O teólogo protestante Reinhard Frieling defende que o papa Bento XVI seja nomeado líder honorário de todos os cristãos. A proposta surge poucas semanas antes da visita do líder católico à Alemanha. “O sonho da comunhão de todos os cristãos pode se tornar realidade se os protestantes oferecerem ao papa o papel de chefe honorário da cristandade”, disse o ex-líder do Institute Kundlichen, de Bensheim. Para o professor emérito da Universidade de Marburg, o papa poderia “falar em nome da cristandade em situações extraordinárias”. Ele argumentou que uma liderança comum daria crédito ao cristianismo como mensagem. Se a proposta se viabilizar, o aniversário da Reforma em 2017, com seus 500 anos, poderá ser a ocasião certa para concretizar a visão, baseada em sua opinião do papa já ser “porta-voz para todos os cristãos”.

Caiu Babilônia

Por J. R. Spangler (RA, set/79)

A mensagem do segundo anjo de Apocalipse 14, juntamente com a de Apocalipse 18, nos dá uma visão clara da razão da nossa existência como igreja e o fundamento lógico para a nossa singular missão.
A advertência final de Deus a Babilônia centraliza-se em dois chama dos distintos. A mensagem do segundo anjo declara que "caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição". Apoc. 14:8. O alto clamor de Apocalipse 18 acrescenta: "Retirai-vos dela, povo Meu, para não serdes cúmplices em seus pecados, e para não participardes dos seus flagelos. Porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus Se lembrou dos atos iníquos que ela praticou."

O Estranho Livro de Apocalipse 5

Por Carlos A. Trezza (RA, jul/81)
A Bíblia — Novo e Velho Testamentos — além das numerosas referências que faz a livros indistintamente, menciona vários deles pelo nome ou segundo a sua natureza — como Livro da Lei, Livro da Vida, Livro de Memórias, e outros mais. Mas esse estranho livro de Apocalipse 5, tão importante que a simples possibilidade de não poder ser aberto levou o revelador ao paroxismo das lágrimas e da angústia, é mencionado sem nenhuma indicação de sua natureza. Alguns o têm confundido com o Livro da Vida, outros simplesmente como uma revelação de sucessos históricos, mas é evidente que não se trata do Livro da Vida, dado que este não é um livro selado e o seu conteúdo — nele estão os nomes dos que estarão no reino de Deus — é bem conhecido (ver Fil. 4:3; Apoc. 13:8).

O Povo Remanescente de Cristo

Por C. Mervyn Maxwell (RA, nov/83)
Os adventistas do sétimo dia são cristãos que existem com a finalidade de comunicar — em palavras e atos — uma mensagem especial sobre Jesus Cristo.
O apóstolo João, envolto em visão profética, viu o movimento adventista sob uma variedade de símbolos proféticos. Em Apocalipse 12:17 ele viu um povo a quem descreveu, na linguagem bíblica, como o "remanescente" da "semente" da mulher. Ele observou que estes guardavam os "mandamentos de Deus" e que tinham o "testemunho de Jesus Cristo".
Em Apocalipse 14:6-12 João viu o mesmo grupo simbolizado por três anjos, incumbidos da proclamação mundial do evangelho, da chegada do juízo, da queda de Babilônia, e da marca da besta. Ele os ouviu falando como "santos" que "guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus".

A Certeza das Três Mensagens Angélicas

Por E. H . Steed (RA, fev/81)
Desde o início do cristianismo Deus tem despertado mensageiros que clamem contra o envolvimento da igreja com o mundo, contra a mistura da verdade com o erro. Ao longo dos séculos tem havido pessoas justas que se angustiam em face da mistura do bem e do mal, e estes têm clamado contra a iniqüidade como Ló o fez na cidade de Sodoma.
No último século Deus despertou Guilherme Miller. o qual se havia convencido de que a mistura do bem e do mal na igreja havia causado a perda da compreensão do significado do que Deus havia querido dizer. Miller estudou as profecias de Daniel, convencendo-se de que o Senhor tinha uma mensagem para ser dada ao povo de todas as partes do mundo: Estai preparados, pois vinda é a hora do Seu juízo.

O Milênio e o Fim do Pecado

(Nisto Cremos)
Ao longo da História, existiram aqueles que exageraram eloqüentemente a respeito dos horrores do inferno, explorando os temores das pessoas na tentativa de conduzi-las à adoração de Deus. Mas que espécie de deus retratam essas pessoas?
De que modo extinguirá Deus finalmente o mal? Que acontecerá com Satanás? O que impedirá que o mal torne algum dia a erguer sua horrorosa feição?
De que modo pode um Deus justo ser também amável?

Será Desolada a Terra

Por Ellen G. White (G.C, 653)
"Os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus Se lembrou das iniqüidades dela." "No cálice em que vos deu de beber dai-lhe a ela em dobro. Quanto ela se glorificou, e em delícias esteve, dai-lhe outro tanto em tormento e pranto; porque diz em seu coração: Estou assentada como rainha, e não sou viúva, e não verei o pranto. Portanto, num dia virão as pragas, a morte, e o pranto e a fome; e será queimada no fogo; porque é forte o Senhor Deus que a julga. E os reis da Terra, que se prostituíram com ela, e viveram em delicias, a chorarão, e sobre ela prantearão, ... dizendo: Ai! ai daquela grande Babilônia, aquela forte cidade! pois numa hora veio o seu juízo." Apoc. 18:5-10. 

Israel cogita incluir domingo como dia de descanso

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ordenou seja estudada a possibilidade de redução da jornada de trabalho para quatro dias e meio, prolongando o fim de semana em um dia e declarando feriado no domingo, que atualmente é dia de trabalho. Netanyahu indicou seu assessor econômico e presidente do Conselho Econômico Nacional, Eugene Kandel, para estudar a questão, que teria importantes consequências econômicas, sociais e religiosas. O vice-primeiro-ministro Silvan Shalom, que havia proposto a medida, argumentou que se deve "passar a um longo fim de semana o mais rapidamente possível, de acordo com todos os países do mundo desenvolvido". Segundo o jornal Haaretz , o plano é para que sábado e domingo sejam feriados, e a sexta-feira seja um dia de trabalho até meio-dia.

Mensagem Para o Povo de Deus

Por Ellen G. White
"Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida." Apoc. 2:10.
João estivera intimamente ligado com o Salvador durante Sua vida de ministério. Tinha-Lhe ouvido as maravilhosas palavras e visto as maravilhosas obras, e seu testemunho foi dado em linhas claras. Da abundância de um coração transbordante de amor por Cristo falou ele, e nenhum poder poderia conter-lhe as palavras...

A Perseguição - Os Poderes Aliados

Por Fernando Chaij

Em todas as épocas tem sido plano deliberado do inimigo opor-se à verdade e combatê-la perseguindo o povo de Deus. Mas neste tempo do fim, seus esforços serão multiplicados ao máximo. Satanás desce com grande ira, sabendo que tem pouco tempo. Utilizará para tanto os governos, bem como instituições religiosas e outras, e fará da imposição do domingo o ponto culminante da controvérsia.
A grande prova para o povo de Deus começará quando a legislação dominical se fizer nacional ou federal nos Estados Unidos. Em seguida essa mesma lei estará em vigência em todo o mundo.

Enganos Satânicos nos Últimos Dias

Por Ellen G. White
Sob o Disfarce do Cristianismo
Aproximamo-nos do fim da história terrestre, e Satanás está trabalhando como nunca antes. Ele está procurando atuar como dirigente do mundo cristão. Com uma intensidade que é incrível, está agindo com os seus enganosos prodígios. Satanás é representado andando em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. Deseja envolver o mundo inteiro em sua confederação. Ocultando sua perversidade sob o disfarce do cristianismo, Ele assume os atributos de um cristão e alega ser o próprio Cristo. Manuscript Releases, vol. 8, pág. 346.

As Sete Últimas Pragas


Por Hans K. LaRondelle

Sua Relação com as Três Mensagens Angélicas
Alguns livros que podem ajudar na compreensão do assunto sobre o Armagedom:

Sobrevivendo os séculos

Por George McCready Price
Sob o símbolo das duas testemunhas o capítulo 11 do Apocalipse apresenta uma memorável profecia a respeito da circulação admirável da Bíblia nesses nossos dias, o tempo do fim.
Estas duas testemunhas (que são o Velho e o Novo Testamento) são descritos como sendo profetizado, ou feito o seu trabalho apontado por 1260 dias (ou anos) embora vestidos de saco. No fim deste período eles são mortos e estão sem sepultura por um curto tempo, após o qual eles são ressuscitados e ascendem aos céus em uma nuvem, enquanto os seus inimigos olhavam admirados. Obviamente a passagem toda é designada para mostrar a mudança de status com respeito às Sagradas Escrituras. Durante longo século a Palavra Escrita de Deus sobreviveu somente sob perigos e dificuldades sem número. Mas em nossos dias é traduzida em mais de mil línguas e dialetos e é despachada às toneladas e como carga de navio a todos os cantos do mundo. Do ponto de vista de Deus e do universo, que vê esta disseminação universal da Bíblia em nossos dias, é sem dúvida o mais importante evento na terra desde o Calvário e o Pentecostes.

Apocalipse 4 e 5 na teologia adventista

Por Milton Torres
Os capítulos 4 e 5 de Apocalipse têm sido diversamente interpretados por diferentes teólogos adventistas.